Escolha uma Página
Ejaculação Precoce: aspectos clínicos gerais

Ejaculação Precoce: aspectos clínicos gerais

Definir o que é ejaculação precoce não é algo fácil. Seu conceito é controverso entre os próprios especialistas da área da sexualidade. Na minha opinião EP define -se pela incapacidade do homem perceber a fase anterior ao seu reflexo ejaculatório e conseguir controlar a ejaculação. Isto significa que uma vez excitado – com estimulação baixa ou mínima – ele atinge o orgasmo antes ou logo após a penetração. O tratamento com a técnica da terapia sexual para a EP é funcional e com altos índices de melhora ou resolução. Entretanto, a minha experiência clínica conta de pacientes q chegam para a psicoterapia não só com a EP, mas também com relações afetivas complicadas que, muitas vezes, fazem a manutenção do sintoma sexual, mostrando o quanto uma disfunção sexual, muitas vezes, pertence também à dinâmica relacional daquele casal e não apenas ao indivíduo. Nessas circunstâncias a terapia torna-se mais delicada e demorada.

Autoestima Feminina

Autoestima Feminina

Encerrando o mês de comemoração às mulheres!
De forma bem simples autoestima se define como a capacidade da pessoa gostar de si. Fatores individuais, tais como características internas de cada um e fatores ambientais influenciam na construção de uma autoestima elevada. Autoestima feminina é a capacidade da pessoa do gênero feminino ter confiança em si e expressar-se no mundo como mulher segura que reconhece o seu valor. A autoestima feminina rebaixada influência na vida a dois uma vez que, quem nao a possui vai o tempo todo buscar a aprovação do parceiro (a), ou seja, vai agir de acordo com o desejo do outro o tempo todo. Autoestima feminina não tem a ver com ter ou não vaidade, mas aquela que, de certa maneira, se abandona por completo nos cuidados diários pode estar com questões que precisam ser trabalhadas. Te convido a assistir meu novo vídeo.

Falta de desejo sexual feminino

Falta de desejo sexual feminino

O baixo desejo sexual nas mulheres, ou até mesmo sua ausência, é uma queixa recorrente no meu consultório. O surgimento do desejo sexual feminino, na maioria das vezes, se baseia em fatores biológicos e psicológicos. Um exemplo de fator psicológico é a intimidade emocional. Um diagnóstico diferencial se faz necessário para sabermos se realmente é uma disfunção de desejo: é preciso investigar se há desejo sexual eu outras circunstâncias, se tem excitação, se tem orgasmo, se há indícios de depressão, se há uso de medicamentos, questões relevantes na história de vida e desenvolvimento individual. O que mais observo como causa é, na maioria das vezes, questões referentes à vida a dois. Ou seja, a maneira como o casal vive o casamento/namoro, no sentido sexual e afetivo, no cotidiano já não é estimulante o suficiente. A rotina se tornou um anti afrodisíaco para ambos. Dessa forma podemos entender que, muitas vezes a mulher carrega o sintoma, a disfunção de desejo, mas é o casal que precisa olhar pra isso tudo. Venha saber mais neste novo vídeo que postei.

Conheça seu corpo

Conheça seu corpo

Observo, com frequência, na clínica de sexualidade, mulheres com dificuldades ligadas ao próprio corpo. Há tabus que envolvem esse desconhecimento do próprio funcionamento biológico sexual. Culturalmente houve e ainda há repressões. A conexão com o corpo sexual – conexão do ponto de vista orgânico e emocional – faz parte do nosso desenvolvimento. Essa alienação gera sintomas e a conta chega, cedo ou tarde, o nosso sistema bio psico sexual reclama.

Traição

Traição

A série de vídeos deste mês é dedicado às mulheres. Vamos conversar um pouco sobre nossa sexualidade e afetividade, afinal o mês de março é especial para todas nós.
O assunto do momento é traição. A vida sexual e afetiva de atores globais foi conversa na boca de muita gente e até tema de matérias de jornais importantes. Entretanto, essa questão é pauta antiga na história da humanidade. Aldo Carotenuto, autor de “Amar e Trair”, conta-nos em seu livro que a traição é uma experiência inelutável (com a qual não podemos lutar contra), mas até que ponto? Existe uma linha tênue entre trair o outro e manter-se fiel a si mesmo. Haja reflexão!!!